Rua Direita
Quinta-feira, 5 de Maio de 2011
Tomás Belchior

 caminhos diferentes

 

Há uns dias a Helena Matos publicou o que é, para mim, o diagnóstico definitivo dos problemas do PSD (e, por tabela, do PS):

 "Enquanto faz farófias [Passos Coelho] pode divertir-se imaginando os técnicos do FMI reunindo-se com Sócrates e sobretudo explicar ao seu partido que o FMI vai impor a Portugal aquelas medidas que perante os microfones desligados os dirigentes do PSD e muitos do PS dizem ser necessárias, mas que mal os microfones se ligam passam a classificar como não compatíveis com a Constituição, com o Estado social, com o estado do programa do partido ou com a falta dele. Não é uma perspectiva muito grandiosa, mas é aqui que se chega quando se abdicou do essencial num partido: ter um discurso ideologicamente coerente e distinto."

É certo que, como escrevemos no nosso manifesto, estas eleições serão sobretudo sobre políticas. Mas as políticas não nascem, nem podem nascer, do vazio.

 

Enquanto no Bloco Central se foge a sete pés da ideologia, no CDS assumimo-la. Assumimos que muitos de nós sentem que têm uma obrigação moral individual para com os mais fracos, assumimos que muitos de nós não querem ser obrigados a viver em concubinato com o Estado, assumimos que muitos de nós acreditam que não podemos viver no presente como se não houvesse passado e que há leis que nos transcendem. E assumimos também que nem sempre estas três correntes coincidem.

 

O que é certo é que estamos todos, sem excepção, comprometidos. Comprometidos com as nossas convicções e comprometidos com políticas que tenham por base essas convicções. É verdade que isto nem sempre é fácil de gerir mas esta clareza tem uma vantagem óbvia: ninguém vota no CDS sem saber ao que vem e ninguém vota no CDS sem saber o que pode esperar do partido no dia a seguir às eleições. Ou seja, ninguém vota no CDS apenas porque é a equipa que está à frente do campeonato. Talvez chegue o dia em que isso venha a acontecer mas este é um código genético que já ninguém nos tira.

 

E isto, nos tempos que correm, conforta-me.

Temas: , , ,
Publicado Por Tomás Belchior em 5/5/11
Link do Post | Comentar
2 comentários:
De Margarida Bentes Penedo a 5 de Maio de 2011 às 19:33

Gostei muito.


De Tomás Belchior a 5 de Maio de 2011 às 21:33
Obrigado, Margarida. :)


Comentar post

Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO