Rua Direita
Sábado, 14 de Maio de 2011
Francisco Mendes da Silva

O Gabriel Silva discorda do estabelecimento de um limite constitucional ao endividamento do Estado, porque "a CRP não deve ser nem um programa, nem um espartilho, e sim o mais aberta e flexível possível para a cada momento respeitar a decisão do povo. Se querem por limites coloquem-nos no lugar certo: ao poder do estado sobre o cidadão".

 

O meu princípio de partida é exactamente o do Gabriel mas, precisamente por causa desse princípio, já estive bem mais longe de me deixar convencer da posição contrária. O meu modelo de constituição é o modelo clássico. Dela devem constar apenas duas matérias: organização do poder político e definição do perímetro de soberania interna e externa do Estado; e direitos e garantias dos indivíduos contra o Estado.

 

Ora, a concretização de uma constituição com esta natureza estrita pode variar consoante os tempos e as suas necessidades (eu posso defender o espírito da Magna Carta mas obviamente que o conteúdo literal vale para 1215 e não para 2011).

 

A verdade é que, conforme nos temos vindo a aperceber da forma mais dura, o endividamento de um país tem efeitos concretos e desastrosos em todas aquelas dimensões:

 

1. O endividamento excessivo acaba por implicar perda de soberania (que passa do Estado para os outros Estados, para as instituições internacionais e para os credores);

 

2. O endividamento excessivo acaba por implicar a diminuição dos direitos e das garantias dos indivíduos (porque conduz sempre a mais impostos, a mais regulação da vida das pessoas e das empresas, a mais investidas estatais sobre a propriedade, a privacidade e demais liberdades);

 

3. O endividamento excessivo acaba por implicar uma crise do sistema político - e, portanto, da própria constituição (porque leva a uma crise financeira e económica que é o alfobre perfeito para a crítica da democracia e do parlamentarismo. Bem o vemos em Portugal, com este espírito caudilhista que tem vindo a crescer na boca dos que defendem uma liderança musculada (e inconstitucional) do Presidente da República.

 

É para defender os valores que eu e o Gabriel temos por "sagrados" que a medida talvez faça mesmo sentido.

Publicado Por Francisco Mendes da Silva em 14/5/11
Link do Post | Comentar
1 comentário:
De Rafael Borges a 14 de Maio de 2011 às 19:33
Bom post, Francisco!


Comentar post

Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO