Rua Direita
Quinta-feira, 19 de Maio de 2011
Adolfo Mesquita Nunes

O RAF pergunta-nos n'O Insurgente o que é que temos a dizer da afirmação de Paulo Portas segundo a qual o CDS está à esquerda do PSD em questões sociais. Penso que responderei por todos se disser que Paulo Portas escolheu uma má frase para dizer uma verdade insofismável: que a esquerda não tem o monopólio das questões sociais, nomeadamente daquelas que se destinam a garantir uma rede de segurança para os que mais precisam.

 

E não me importo de repetir, que aqui pelo Rua Direita não temos problemas em criticar o que nos parece menos bom: a frase escolhida pelo Presidente do CDS foi má. Mas antes uma má frase a revelar uma boa política do que más políticas escondidas atrás de boas frases.

 

Mas já agora, quanto a dúvidas existenciais sobre ser de esquerda ou de direita, parece-me que o PSD tem muito mais a explicar do que o CDS.

Publicado Por Adolfo Mesquita Nunes em 19/5/11
Link do Post | Comentar
8 comentários:
De António Parente a 19 de Maio de 2011 às 11:01
Por acaso, discordo. A frase escolhida pelo presidente do CDS foi muito boa. Não há que ter complexos de esquerda em questões sociais. Uma das mais-valias do CDS é ter uma componente de democracia-cristã que equilibra o mix de políticas do manifesto eleitoral. O "Estado social" não pode ser só aquilo que o PS, o PCP e o BE defendem. A mais-valia que o CDS pode trazer é ter uma política social alternativa mais eficiente e controlada do ponto de vista financeiro e justa do ponto de vista social. Sem complexos de direita ou de esquerda.

Ontem conversei com uma pessoa que sempre votou CDS e que ficou admirada por eu lhe dizer que provavelmente votarei CDS nas próximas eleições. Para esse pessoa, quem deixasse de votar PS ou votaria PSD ou BE. Expliquei-lhe que essas transferências de voto não são automáticas. Muitos eleitores PS nunca votarão BE ou PCP porque o PS é a sua última fronteira à esquerda. Votar no PSD é votar numa versão gémea (em termos de políticas) do PS. É aqui que o CDS pode fazer a diferença, sendo a alternativa a quem deixa de votar no PS e não quer votar PSD (também existe o MEP, acrescente-se).

 Para isso, o CDS tem de ir ao encontro desses eleitores se quer alargar o seu espaço eleitoral. Não precisa de abdicar da sua matriz e identidade de direita mas tem de perceber que quem vota PS não quer o "socialismo" mas sim uma sociedade onde exista solidariedade com os mais pobres e justiça social.

Para votar CDS não é necessário estar 100% de acordo com o seu manifesto eleitoral. Se eu quiser um partido em que esteja 100% de acordo com as suas políticas então fundo-o e assumo a liderança. O que eu pretendo é um partido com que me possa identificar e que pense que pode ter a mesma sensibilidade que eu penso ter em termos de políticas sociais. O CDS tem a possibilidade de contribuir para acabarem os preconceitos comtra a direita até porque muita gente que vota PS descobre, a certa altura da sua vida, que é de direita mas de uma direita com preocupações sociais.


De Adolfo Mesquita Nunes a 19 de Maio de 2011 às 11:09
Caro António, eu não disse que a frase não era politicamente hábil, precisamente no sentido de cativar o voto. Apenas considero que ela é uma má frase na medida em que tende a perpetuar a ideia de que quem tem preocupações sociais é de esquerda.
Um abraço 


De Henrique Nunes a 19 de Maio de 2011 às 13:12
Mas, qual é a direita sem preocupações sociais?


Até o fascismo italiano e o nacional-socialismo alemão tinham no cerne das suas filosofias o bem-estar social.

A esquerda sempre se centrou na luta de classes e na agitação, e não nas preocupações sobre o bem estar-social.

A verdade é que as preocupações sociais advém directamente da matriz cultural cristã, que se centra nos princípios do serviço e da caridade. A esquerda soube muito bem recauchutar-se e raptar esse tema tratando-o como se fosse seu feudo exclusivo. Mas, na verdade, é um bocado difícil encontrar um país no mundo que exemplifique a concretização desse recente fervor social da esquerda.
Como aliás Jerónimo de Sousa tão bem ilustrou ao não conseguir responder à solicitação de Portas: "Dê-me um exemplo de um país, no Mundo, onde se apliquem as suas ideias, e as pessoas sejam livres, prósperas e felizes."


De Tomás Belchior a 19 de Maio de 2011 às 13:42
Henrique,

A esquerda só tem preocupações sociais se puder também usar o poder do Estado para dirigir a vida das pessoas. Por isso é que para eles é mais importante a questão público/privado do que a questão do que realmente funciona para melhorar a vida dos outros.

É vergonhoso e daria um bom tema para o debate de logo com o Louçã...


De Henrique Nunes a 19 de Maio de 2011 às 14:03
Caro Tomás,


em relação à questão do público/privado, penso que os motivos deles são um pouco mais pragmáticos do que esses. 


A verdade é que, hoje em dia, qualquer pessoa com bom-senso, tendo hipótese de assegurar a sua reforma ou no público ou no privado, escolheria sempre o privado, pois saberia bem que caso optasse pelo público, se arriscaria a não ter reforma quando dela precisasse.

Isto resultaria num sistema público apenas com beneficiários e sem contribuintes. E como a esquerda vive mais dos votos dos beneficiários e menos dos dos contribuintes, ver-se-ia a braços com o problema de como sustentar os beneficiários sem as contribuições dos contribuintes. Que rapidamente resolveria, como sempre, com apelos à agitação e revolta contra os "ricos" e os "burgueses" (de 1500€ mensais...). 


De Fernando Albino a 19 de Maio de 2011 às 14:44
Sempre duvidei muito que os fascistas e os nazis fossem de direita, mais isso é outro debate. Duvido igualmente que na base da defesa das políticas assistencialistas tenha que estar sempre uma noção caritativo-religiosa. Na minha ótica, trata-se de uma decisão racional e lógica o estado assegurar um mínimo de bem estar social para os seus membros - algo que promova paz social e igualdade de oportunidades. Para baixo de isso, ninguém cai. A partir daí, vale o mérito e o esforço de cada um. A esquerda portuguesa gosta de fazer disto um cavalo de batalha porque a direita nunca soube racionalizar o seu discurso sobre o estado social. Vão ver o que diz a Thatcher sobre isso.


De Henrique Nunes a 19 de Maio de 2011 às 14:59
"Duvido igualmente que na base da defesa das políticas assistencialistas tenha que estar sempre uma noção caritativo-religiosa."


Não tem que estar, mas o facto é que esteve e está. Para as pessoas que atingiram o fundo, na esmagadora maioria das vezes, o únicos que lá estão disponíveis para oferecer uma mão amiga e uma ajuda, são as organizações de caridade associadas à Igreja, ou de cariz religioso. Não é a assistência social.

O Estado faria melhor em apoiar essas organizações, que já estão implementadas no terreno, sabem racionalizar os parcos recursos que têm disponíveis e são muito menos susceptíveis de serem enganadas por falsos pobres e outros inúteis, do que gastar milhões e milhões numa assistência social de eficiência, no mínimo, duvidosa.


De AntónioCostaAmaral (AA) a 30 de Maio de 2011 às 15:58
"o fascismo italiano e o nacional-socialismo alemão" eram doutrinas de esquerda -- anticapitalistas, estatistas, anti-individualistas -- em suma, socialistas.


Comentar post

Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO