Rua Direita
Quinta-feira, 19 de Maio de 2011
Tomás Belchior

Ainda a propósito deste bota-abaixismo, o Primeiro-Ministro agora veio dizer que afinal o plano que ele tinha engendrado em 2000-2001 com o Mário Lino para privatizar a Águas de Portugal não era uma privatização, era uma "parceria estratégica". Uma parceria estratégica que "previa a entrada da companhia inglesa Thames Water no capital da AdP, através da EDP, que já era então uma companhia privada, e contemplava a futura dispersão de uma parte do capital em bolsa."

 

A melhor parte da notícia é a prestação do saudoso Mário Lino: "Confrontado com uma sua declaração à revista Visão em que afirmou, em Dezembro de 2001, que “já se está a privatizar “ a AdP, o ex-ministro das Obras Públicas do primeiro Governo de José Sócrates respondeu: “Era privatização porque era a entrada de um ente de direito privado, com capitais privados, no capital da Águas de Portugal. Foi no quadro de uma aliança estratégica e era uma participação de 10 por cento.”

 

Ou seja, para ver se isto fica claro, não era uma privatização porque era uma parceria estratégica. Mas era uma privatização porque era a entrada de empresas privadas na Águas de Portugal.

 

Como diria o Primeiro-Ministro: "toda a gente percebeu o que eu quis dizer quando disse isso".

 

Vota PS! Defende Portugal!

Publicado Por Tomás Belchior em 19/5/11
Link do Post | Comentar
10 comentários:
De Zélia Pinheiro a 19 de Maio de 2011 às 13:51
Também não percebo. E nem sequer estou a defender a privatização das Águas de Portugal. Mas esta justificação "se que quisesse privatizar já tinha privatizado" não me convence. É que, em rigor, privatizar ainda ninguém privatizou. Do que se trata é de *querer* privatizar.  E se no PSD são "aventureiros irresponsáveis" por terem essa intenção, o PS também o foi pois quis privatizar em 2000. Mas talvez na altura não fosse uma aventura irresponsável, e agora tenha passado a ser? Estou confusa.


De Tomás Belchior a 19 de Maio de 2011 às 15:29
Zélia,

Claramente não estás habilitada para perceber as subtilezas do discurso socialista. Isto é um bocadinho como as falhas de mercado: as falhas de mercado, em bom rigor, não existem. Só existem falhas de mercado quando o mercado não faz o que eu quero.

As privatizações também são boa ideia, excepto quando são má ideia ou quando são ideia dos nossos adversários. Espero ter sido claro.


De Vasco a 19 de Maio de 2011 às 15:19
Privatizar a Água é um grande disparate. Para além de não sabermos o dia de amanhã no que toca esse recurso estratégico, como se articulariam os interesses dos privados com a gestão de barragens, por exemplo - e como se articulariam políticas da água com políticas agrícolas à escala nacional (não por acaso a menina dos olhos do CDS)?


De Tomás Belchior a 19 de Maio de 2011 às 15:33
Vasco,

Não estamos a falar da privatização da água. Estamos a falar da privatização (ou concessão) da gestão dos recursos hídricos.

Uma coisa é a necessidade de intervenção pública para o lançamento de projectos de infraestruturas, outra é a gestão pública desses projectos.


De Vasco a 19 de Maio de 2011 às 16:29
Usei uma expressão vulgar, mas "gestão dos recursos hídricos" também me parece um eufemismo porque privatizar essa gestão é, no fundo, fazer com que o objectivo principal dessa gestão seja o lucro e que portanto as decisões mais importantes não serão estratégicas mas de tesouraria. E então se Ricardo Salgado pegar na "coisa" está-se mesmo a ver que em breve teremos uma barragem em cada vale. Paga por nós, construída por Jorge Coelho, para privados venderem electricidade e, por acaso, até deitarem umas bolinhas de cloro nos depósitos para dar de beber à manada. Se houver uma seca, não há problema, triplica-se logo o preço da água (que não torna a descer quando chove...). É isto que querem? É isto que vai acontecer caso esta história vá para a frente.


De Tomás Belchior a 19 de Maio de 2011 às 17:01
Vasco,

Substitua água por comida ou por roupa e o Ricardo Salgado pelo Soares dos Santos ou pelo Belmiro e diga-me qual é a diferença. É o lucro que lhe permite ter comida e roupa abundante e preços para todos os gostos.

Uma coisa são as infraestruturas. Outra coisa é a produção/distribuição/gestão.


De Vasco a 19 de Maio de 2011 às 22:11
Tudo ok. Eu não sou contra o lucro. Apenas contra a gestão privada de um recurso natural (finito), mesmo através de concessões, porque é crucial que um Estado detenha margem de manobra sobre os seus recursos base sem estar sujeito a contratos ou interesses privados. Para dar um exemplo, numa situação de crise, como contrapartida de um agravamento fiscal, o Estado pode decidir não aumentar o preço da água, ou mesmo baixá-la, para por exemplo aumentar a competitividade dos sectores primário e secundário. Ora, com gestão privada, isso seria muito mais complicado, senão impossível. E é por isso que não posso substituir "água" por "roupa" ou "alimentos" neste argumento. Não me parece bem a mesma coisa.


De Tomás Belchior a 20 de Maio de 2011 às 11:36
Vasco,

O "interesse privado" somos nós todos. A única questão que está aqui em causa é saber qual a melhor forma de levar água a quem precisa, de a levar em condições, de a tratar depois de ser usada, e isto tudo minimizando o desperdício. Tudo isto pode ou não ser feito pelo Estado directamente.

Se o Estado decidir administrativamente preços, só pode acontecer uma de duas coisas: ou nós temos de pagar a diferença em impostos (o que não me parece justo) ou há pessoas que não vão ter água se precisarem porque ela está a ser desperdiçada noutro sítio qualquer.

De qualquer forma, reconheço que privatizar a AdP está longe de trazer vantagens evidentes ao país. É uma área onde é difícil evitar problemas futuros com privatizações. Mesmo apertados, não vale tudo para arranjar dinheiro.


De Carlos Pinto a 19 de Maio de 2011 às 15:37
O CDS já pensou na boa desculpa que vai ter de dar se aceitar formar governo com o PS caso este ganhe as eleições (espero bem que não!), mesmo que por pouco, como muitos dirigentes do CDS defendem em privado?... Quero-me rir.


De Tomás Belchior a 19 de Maio de 2011 às 15:53
O CDS não vai ter de dar desculpa nenhuma porque esse cenário não se coloca. Acho que o Carlos deve andar a privar com dirigentes de outro partido.

Não sei se reparou, mas o presidente do CDS anda há um ano a dizer ao Primeiro-Ministro para se ir embora. Já o disse repetidamente nesta campanha. Se quiser posso indicar-lhe umas notícias sobre esse tema.

Nem por aí vai ter grande oportunidade de se rir.


Comentar post

Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO