Rua Direita
Sexta-feira, 20 de Maio de 2011
Margarida Bentes Penedo

Há quem escolha como modo de vida receber dos outros e produzir zero. É uma prática legal e não deve ser proibida. Francisco Louçã acha que tem que se proteger essa gente, e defende que seja o Estado a pagar. Eu acho que o contribuinte tem que se proteger do dr. Francisco Louçã.

 

Ninguém deve ser obrigado a abdicar de uma liberdade que considero fundamental: a de escolher individualmente as extravagâncias em que quer gastar o seu dinheiro. Se o tiver.

 

Responsabilizar o Estado por essa escolha é uma ideia moralista, paternalista e aberrante.

Publicado Por Margarida Bentes Penedo em 20/5/11
Link do Post | Comentar
Domingo, 15 de Maio de 2011
Margarida Bentes Penedo

 

Desconfio da profundidade política de todas as análises que incluam o conceito de "ir ao pote". Sem excepção. Aliás, não desconfio. Desprezo.

Publicado Por Margarida Bentes Penedo em 15/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (4)
Sexta-feira, 13 de Maio de 2011
Francisco de Almeida

Pedro Passos Coelho: Temos de baixar a TSU porque está num documento a dizer que é crítico e vamos financiar isso com o aumento de impostos. Quais? Nem ideia, como aliás podem perceber pela diferença de opiniões dentro do partido.

 

Paulo Portas: Estudei o assunto a fundo. Tenho uma série de reservas sobre a sua implementabilidade, já que não quero onerar mais o povo com o imposto mais injusto de todos. Não me posso comprometer com políticas que prejudicam mais os Portugueses do que ajudam, e tenho alternativas à redução da TSU para dinamizar a economia.

 

Numa frase: Um está preparado para ser primeiro ministro o outro nem equipa tem!

Publicado Por Francisco de Almeida em 13/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (1)
Quinta-feira, 12 de Maio de 2011
João Maria Condeixa

 

Num momento de aperto PÓSTROIKA é uma piada de oportunidade.

E é como uma oportunidade para se reestruturar que Portugal tem de encarar este momento. Haja vontade, pois capacidade para fazer melhor não nos falta.

Juntem-se os melhores e rompamos com o passado e com o que nos trouxe até aqui!

Publicado Por João Maria Condeixa em 12/5/11
Link do Post | Comentar
Sábado, 7 de Maio de 2011
Tiago Loureiro

Para além de serem "bota-abaixistas", os finlandeses são um bando de mal agradecidos. Pelo menos, essa é a nova tese que este vídeo quer fazer passar, ao mesmo tempo que usa alguns factos da História de Portugal e outros tantos do parolismo nacional, para exigir à Finlândia uma ajuda que não devem questionar.

 

Mas se a aposta do "Portugalnomics" é fazer birra, envergonhar e exigir à Finlândia a retribuição da solidariedade que lhes prestamos no passado, convém não esquecer algo básico: em 1940, o apoio de Portugal e outros países à Finlândia justificou-se pela sua brava resistência às constantes agressões soviéticas que a deixaram em péssimas condições. Hoje, o apoio da Finlândia e outros países a Portugal, deve-se, tão somente, a uma guerra muito menos digna: aquela que decidimos travar com a inteligência e o bom senso, e que nos levou a passar de um país grande e respeitado a um país mendigo e insolvente, capaz de envergonhar o melhor da própria história.

Publicado Por Tiago Loureiro em 7/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (2)
Victor Tavares Morais

Importa agora recordar os teóricos da Causa (da nossa ruína), não todos, porque foram muitos, mas daremos destaque aos melhores.

 

Pode haver várias razões contra os investimentos públicos em geral ou contra certos investimentos públicos em concreto. Mas argumentar que eles não podem ser feitos por "falta de dinheiro" constitui uma grande mistificação política, que não resiste à mais elementar análise.

 

Para começar, a afirmação de que "não há dinheiro para nada" é duplamente errada: primeiro, porque com o saneamento das finanças públicas - um triunfo inegável deste Governo -, há finalmente margem de manobra orçamental para retomar o investimento público; segundo, porque para haver investimento em infra-estruturas públicas não é necessário ter dinheiro público disponível nem sequer recorrer ao endividamento público, bastando optar pelo investimento privado no quadro de "parcerias público-privadas". Ora, a quase totalidade dos investimentos previstos - novo aeroporto, nova travessia do Tejo, rede ferroviária, estradas, barragens, portos, e mesmo hospitais, escolas e prisões - será feita com dinheiro privado.

...

Quanto ao financiamento, o sector deixou de depender do orçamento do Estado e dos impostos no novo sistema de gestão rodoviária, devendo a Estradas de Portugal recorrer ao investimento privado em regime de PPP e remunerá-lo depois com recursos próprios, designadamente a "contribuição rodoviária" e, sobretudo, as portagens das novas auto-estradas (e das antigas, quando cessarem as actuais concessões). O Estado deixa, portanto, de ter encargos orçamentais com as estradas.

  

Vital Moreira, Julho 2008, Aba da Causa

 

Publicado Por Victor Tavares Morais em 7/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (2)
Ana Rita Bessa

Passados uns dias, depois de lido e relido o "nosso MoU" e tanta "opinião", são três as ideias gerais que me ficam:

  1. Trata-se de um contrato. De um contrato-programa, mas, neverthless, de um contrato. Que obriga duas partes: quem empresta o dinheiro e quem o recebe, tendo que o executar nas condições sob as quais esse empréstimo ocorre (quem já teve que lidar com contratos de direito internacional, reconhece a semântica e o tom directo e objectivo ...). E, como em qualquer contrato, uma vez assinado, tem consequências, também em caso de incumprimento. É importante que tenhamos claro que não nos foi dado o pote de ouro no final do arco-íris.
  2. Sendo um contrato entre quem empresta e quem contrai um empréstimo, o espírito que preside ao documento é eminentemente financeiro. Isto é, visa estipular as condições que, quem empresta, legitimamente acredita serem aquelas que levarão à capacidade de re-embolso dos 78 mil milhões de euros, no prazo acordado. Não é portanto um documento político, embora não seja neutro do ponto de vista ideológico (mas, then again, o que é?...).
  3. Não sendo um documento político, é justamente pela Política que o memorandum será um instrumento de diferenciação e mudança. Por um lado, na forma como for sendo concretizado, por outro na orientação que for dada às componentes em que o documento pede que se estudem vias de re-estruturação, mas sobretudo, como diz o Ricardo Costa na edição de hoje do Expresso: " O documento da troyka amarra os políticos a uma realidade duraMas não os impede de fazerem política além dele. Pelo contrário, só quem for capaz de cumprir o que ali está é que pode prometer mais alguma coisa".
Não será, portanto, nada indiferente quem escolheremos para nos governar no próximo dia 5 de Junho.
Publicado Por Ana Rita Bessa em 7/5/11
Link do Post | Comentar
Sexta-feira, 6 de Maio de 2011
David Levy

Em Portugal parece que muito pouca gente reparou que  na Finlândia está a aumentar oposição à ajuda financeira a Portugal e que o voto favorável deste país é tudo menos certo. Este devia ser o principal motivo de preocupação e de discussão, mas em vez disso parece ter-se assumido que o resgate é um facto certo e consumado. 

 

Muitos poderão estar descansados porque confiam cegamente nas capacidades salvadoras do primeiro-ministro, que julgam ter acautelado um plano B para o caso de a Finlândia vetar a ajuda. Julgam mal. Sócrates é um eterno optimista e nunca em circunstância alguma se foca nas dificuldades e nas maçadas. Pelo contrário, em todas as situações explora a mentira inverdade, a ocultação dos factos, a propaganda mais manipuladora e o atirar de culpas para terceiros. 

 

Se por um azar os finlandeses chumbarem a ajuda a Portugal, a culpa nunca será do Governo que irresponsavelmente não equacionou essa possibilidade. Será obviamente dos finlandeses, esses derrotistas catastrofistas, que se recusaram a ver as virtudes do primeiro-ministro português e lhe minaram o esforço hercúleo e patriótico para salvar o país da ruína provada pela Oposição.

 

Parece que não se conhece já a cartilha.

Publicado Por David Levy em 6/5/11
Link do Post | Comentar
Terça-feira, 3 de Maio de 2011
Bruno Gonçalves

O Primeiro-Ministro que em 2009, com um défice de 7%, teve a coragem e a lata de se dirigir aos Portugueses e afirmar que merecia ser reeleito porque o seu governo tinha colocado as contas públicas em ordem, fez há pouco uma declaração ao país a enumerar os benefícios que o seu governo garantiu nas negociações do pacote de ajuda externa. O discurso manifestamente eleitoralista, sem qualquer sentido de estado no sentido de informar o país de algumas das necessárias medidas duras que terão de ser tomadas nos próximos tempos não deveria surpreender os mais atentos. O Primeiro-Ministro que atrasou o pedido de ajuda de modo a manter-se no lugar, custando ao país milhões de euros em juros de dívida, esteve igual a si próprio.

Publicado Por Bruno Gonçalves em 3/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (1)
David Levy

Há um certo déjà vu no ar. Ouvindo os socialistas parece que estamos em 2005 e nada se passou entretanto. Agora é que vai ser: relançamento económico, emagrecimento do Estado, reforma do Estado Social, etc. etc.. Belas palavras, tão belas que até o Plano de Austeridade parece fofinho.

Publicado Por David Levy em 3/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (3)
CM

Como tudo é tão maravilhoso no mundo imaginário de José Socrates...

Temas: ,
Publicado Por CM em 3/5/11
Link do Post | Comentar
CM

É um lugar comum citar Churchill dizendo que o sistema democrático é o pior dos sistemas com excepção de todos os outros tentados. Sem dúvida. Mas isto não implica que não possa ser melhorado.

 

No Reino Unido realizar-se-á um referendo no próximo dia 5 de Maio onde se perguntará ao Povo se prefere o sistema actual de voto directo (apenas um voto no partido/pessoa escolhida) ou num sistema de voto alternativo (ou seja, uma ordenação de preferência de escolha).

 

Não sendo uma questão totalmente clara em termos de benefícios (há bons argumentos para ambos os sistemas), é sem dúvida um passo em frente da própria Democracia e como ela própria evolui. 

 

Uma discussão para dias mais civilizados por cá...

Publicado Por CM em 3/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (1)
CM

Haverá algum motivo para não haver um uso mais intensivo dos genéricos, nomeadamente quando tudo passaria por uma simples indicaçao dos médicos do princípio activo !?

 

http://economico.sapo.pt/noticias/farmacias-devem-receber-menos-pelos-medicamentos-mais-caros_117215.html

 

"Uma das ideias, aliás, é enviar trimestralmente aos médicos um relatório com a prescrição que fizeram e com o que poderiam poupar caso tivessem receitado genéricos, fazendo assim uma acção de promoção dos genéricos juntos dos prescritores."

 

E já agora, porque não a unidose ?

 

Preparem-se poderes corporativos instalados! Agora é que vai começar a doer!

Publicado Por CM em 3/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (1)
CM

Em 2006 o Rating da S&P de Portugal era "AA-" e da Eslováquia "A".

 

Em 2011 o de Portugal é "BBB-" e da Eslováquia "A+".

 

Em 5 anos Portugal desceu 6 "notches" e a Eslováquia subiu um... mas afinal a crise nao era internacional ou da dívida soberana !?

 

Ou será que foi a Eslováquia que "meteu uma cunha" à S&P !? Só pode...afinal eles é que são os influenciáveis...

Publicado Por CM em 3/5/11
Link do Post | Comentar
CM

Não obstante o défice de democraticidade da coisa, a verdade é que há anos que o País suspirava por uma reforma da legislação laboral, do sistema judicial, do sistema nacional de saúde, da estrutura de subsidios.

 

O tempo gasto, a incompetência de quem governa e a falta de coragem dos decisores custou cortes de pensões e subida de impostos para manter o Estado Social (por mínimo que seja). Quanto mais tempo se demorar a retirar a incompetência do poder, pior. Mas também os eleitores tiveram falta de coragem...

 

E depois a culpa é do grande capital...

Publicado Por CM em 3/5/11
Link do Post | Comentar

Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO