Rua Direita
Terça-feira, 10 de Maio de 2011
João Maria Condeixa

A AR tem - e não apenas nas últimas filas - uma quantidade de deputados que não representam ninguém. Entram mudos e saem calados, não se lhes conhece qualquer projecto, nem sequer ideia política, e estou certo que se o eleitorado pudesse filtrar a sua eleição, o faria. Eles são aquele peixe que vem junto com a sardinha no puxar das redes e que praticamente não tem utilidade, nem valor comercial.

 

Serve isto para dizer que vejo com bons olhos a redução do número de deputados, não só numa perspectiva economicista, como também de promoção de uma representatividade melhorada. Vejamos porquê:

 

a) fim de uma dupla ilusão: a nossa, de que aqueles senhores nos estão a representar ou a lutar por determinado círculo eleitoral e a deles, de que são deputados da nação e por isso, são ali necessários ao país.

 

b) every penny counts: Um deputado acarreta custos directos (vencimentos e regalias) e indirectos (assessorias, gabinetes, despesas de manutenção, etc.) que, ainda que não representem uma despesa exurbitante, personificam a lógica micro-despesista que temos de contornar. Se não serve, é de se manter apenas porque gasta "pouco"?

 

c) custo de oportunidade: um deputado de braços cruzados, é mão-de-obra que faz falta cá fora, qualquer que seja a sua área de intervenção.

 

d) proporcionalidade: a representatividade tem de ser acautelada, pelo que será necessário proceder a reformas que visem manter a proporção mais justa a cada um dos círculos eleitorais, não permitindo que uma diminuição no número de deputados signifique uma diminuição da voz de regiões mais abandonadas e carentes, sob o risco de matarmos o resto do país. Esta pode até ser uma oportunidade para melhorar este aspecto.

 

e) lógica partidária: os partidos valem pelo seu trabalho e pela proporção do seu grupo no total da assembleia. Uma diminuição do número de deputados pode muito bem aumentar a qualidade e competitividade dos partidos, já que em teoria diminuímos a oferta para um mesmo nível de procura, podendo assim aumentar "o preço" do lugar. E só com os melhores lá chegarão.

 

Francisco, ainda que também perceba aquilo que o PSD quer com esta proposta e que reconheça as consequências negativas que isto tem para o CDS, parece-me que esta opção será aquela que melhor serve o país, quer por estas razões, quer por outras que faço tenções de acrescentar.

Publicado Por João Maria Condeixa em 10/5/11
Link do Post | Comentar
3 comentários:
De João Lamy da Fontoura a 10 de Maio de 2011 às 10:33
Sobre o ponto d) do teu post (e confirmando-o): creio que, já hoje, Portalegre elege dois deputados (está mesmo a ver-se de que cores...): para proporcionalidade, realmente, não está mal.


De João Maria Condeixa a 10 de Maio de 2011 às 12:14
Sim, João: Évora (3) e Portalegre (2) são dois casos que exemplificam bem o desequilíbrio em que nos encontramos e que poderíamos aproveitar para mudar. Não me parece adequado - embora confesse que não consiga definir um critério mais justo - que Lisboa tenha quase 50 deputados e tantos círculos apenas 4 ou 5..


De Libertas a 10 de Maio de 2011 às 12:24
Claro que podemos aceitar a redução do nº de deputados, mas só se aumentarmos o nº de deputados por círculo, juntando círculos (como Braga a Viana).
O CDS tem de exigir a manutenção da proporcionalidade.


Comentar post

Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO