Rua Direita
Quarta-feira, 1 de Junho de 2011
Tomás Belchior

"Se a estratégia do Governo, para evitar prejuízos maiores para a economia, as empresas e as famílias, inclui medidas capazes de produzir, já este ano, resultados visíveis na redução efectiva do défice, pela primeira vez as medidas adoptadas respondem, sobretudo, ao desafio da sustentabilidade e visam produzir resultados para lá do próprio ciclo eleitoral. Essas medidas não se destinam apenas a combater a crise orçamental actual, destinam-se também a impedir que essas crises se voltem a repetir no futuro."

 

"Aplausos do PS."

 

Assembleia da República - 07 de Julho de 2005 (Debate do Estado da Nação)

 

"Este ano operar-se-á a maior redução do défice público observada em muitas décadas. Será, não tenhamos dúvidas, uma redução histórica. Não tanto pela sua magnitude mas sobretudo por assentar em reformas que corrigem importantes desequilíbrios estruturais."

 

"Aplausos do PS."

 

Assembleia da República - 12 de Julho de 2006 (Debate do Estado da Nação)

 

"O Governo não é indiferente nem à dívida nem ao défice excessivo. Somos de uma esquerda moderna, que sabe bem que a dívida e o défice limitam a autonomia dos Estados, cerceiam a liberdade de escolha nas políticas públicas e põem em causa as prestações sociais no futuro. É isto que não queremos para Portugal: um País desacreditado internacionalmente e permanentemente limitado nas suas opões e nas suas escolhas. Por isso enfrentámos este problema com seriedade: encetámos o caminho das reformas estruturais e pusemos em marcha um processo de verdadeira consolidação orçamental"

 

"Vozes do PS: — Muito bem!"

 

Assembleia da República - 20 de Julho de 2007 (Debate do Estado da Nação)

 

"O Sr. Primeiro-Ministro: A disciplina orçamental é um ponto essencial da acção do Governo. Em dois anos, conseguimos resolver a gravíssima crise orçamental que herdámos, [...] Procedemos à consolidação das contas públicas, através de reformas que reduziram a despesae sem recurso a receitas extraordinárias geradoras de encargos futuros. Equilibrando as contas públicas, vencemos, portanto, onde antes outros falharam."

 

"Aplausos do PS."

 

Assembleia da República - 10 de Julho de 2008 (Debate do Estado da Nação)

 

"Sim: pusemos as contas públicas em ordem. Mas fizemos mais: restaurámos a credibilidade do Estado português. E conseguimos a consolidação orçamental porque fizemos mudanças estruturais nos grandes agregados da despesa pública. Não usámos truques contabilísticos, nem operações extraordinárias e artificiais, geradoras de encargos futuros. Este Governo não titularizou ao desbarato dívidas fiscais, nem integrou à pressa fundos de pensões. É o facto de termos resolvido a grave crise orçamental herdada que nos permite agora mobilizar o Estado. Mobilizar o Estado no apoio ao emprego e na ajuda às famílias. Mobilizar o Estado com mais investimento e mais intervenção social. "

 

"Aplausos do PS."

 

Assembleia da República - 2 de Julho de 2009 (Debate do Estado da Nação)

 

"Para responder à crise financeira e económica que atingiu o mundo em 2008 e 2009, os Estados tomaram várias medidas. [...] Essa resposta evitou que a crise económica se convertesse numa depressão e provocasse uma crise social de maiores proporções. Fizeram bem, portanto, os Estados.

 

E que fique claro: não foi a intervenção do Estado, nem foi o Estado social que provocaram a crise. Ao contrário: foi a intervenção do Estado que impediu que a crise assumisse maiores proporções. Há por aí quem queira fazer, agora, um ajuste de contas com a história, sugerindo que o problema residiu no Estado. Mas todos sabemos que o problema foi a desregulação dos mercados financeiros, e é esse problema que o mundo deve resolver.[...] Não foi, portanto, Estado a mais. Foi Estado a menos que esteve na origem desta crise."

 

"Aplausos do PS."

 

Assembleia da República - 15 de Julho de 2010 (Debate do Estado da Nação)

 

"O Governo decidiu hoje dirigir à Comissão Europeia um pedido de assistência financeira, por forma a garantir condições de financiamento a Portugal, ao nosso sistema financeiro e à nossa economia."

 

S. Bento - 06 de Abril de 2011

 

"Em declaração política, o Sr. Deputado Jorge Strecht (PS) condenou as posições tomadas pelos partidos da oposição que conduziram à crise que o País vive."

 

Assembleia da República - 21 de Abril de 2011 (Resumo da última sessão parlamentar da XIª Legislatura)

Publicado Por Tomás Belchior em 1/6/11
Link do Post | Comentar
Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO