Rua Direita
Sexta-feira, 13 de Maio de 2011
António Folhadela Moreira

Os artigos de Carlos Abreu Amorim lembram-me aquelas pessoas que, levando a vida toda uma existência modesta e despercebida, de um dia para o outro fazem fortuna e passam a aparecer com os dedos cheios de anéis.

 

O problema de Carlos Abreu Amorim é a ideia fantástica que tem de si próprio, coisa que não seria um problema de maior caso houvesse alguma coisa de fantástico no seu pensamento ou na sua personalidade. Mas não há, e prova disso mesmo é o seu artigo do DN que foi ligado a este blog.

 

Carlos Abreu Amorim, enquanto grande ideólogo que acredita ser e dever ser (vide a sua passagem efémera pelo CDS, nos anos de '96 a '98, e mais tarde no PND de Manuel Monteiro), podia usar a sua enorme capacidade de pensamento para afirmar um PSD, pelo qual agora alinha, e tentar com isso que o seu PSD ande menos desorientado.

 

Em vez disso regrediu uns anos até ao tempo da sua meninice e evocou o papão, i.e., uma inevitável coligação do CDS com o PS, para com isso tentar que os eleitores comam a sopa, perdão, votem no PSD.

 

Se Carlos Abreu Amorim ler o Rua Direita quero desde já sossegá-lo, o papão não existe.

Temas: , ,
Publicado Por António Folhadela Moreira em 13/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (1)
Luís Pedro Mateus

Sobre o CDS, Carlos Abreu Amorim diz que:

 

"O seu principal alvo tem sido o PSD - para já, os ataques à governação socialista apenas surgem como o intróito ambiguamente contextual às arremetidas principais"


"O CDS tem-se conduzido como um aliado estratégico e preferencial de Sócrates, estabelecendo tacitamente com este uma profícua prática concertada que visa arrochar o PSD entre duas tenazes."


"Tudo indica que Portas quer retornar ao poder seja qual for o parceiro partidário."

 

Estou preocupado com o Carlos Abreu Amorim.

 

O que é que pode explicar que se esqueça de quem tem sido o partido com as declarações mais agressivas em relação ao CDS? (e não, não foi o BE)

O que é que pode explicar, como já disse o Tiago, que se esqueça de quem tem sido o partido verdadeiramente "aliado estratégico" de Sócrates, com aprovações de todos os PEC e Orçamentos de Estado?

 

O que é que pode explicar que Carlos Abreu Amorim (candidato por um partido cujo líder, no espaço de 3 meses, teve 3 posições diferentes quanto a integrar governo com Sócrates) ignore que Portas já disse preto no branco, por mais que uma vez, que a haver coligação, o parceiro mais natural é o PSD e, como se não bastasse, ter dito, também preto no branco, e mais que uma vez, que com Sócrates "jamais"?

 

Toda a gente sabe que o Carlos Abreu Amorim padece daquela doença crónica que se manifesta no uso desmedido de palavras para dizer uma frase que apenas precisaria de três.

 

Talvez o Carlos Abreu Amorim, imbuído na mesma confusão que o fez passar pela Nova Democracia, agora pense que é poeta. Um Fernando Pessoa.

Mas não é.

 

Ou talvez pense que é treinador de futebol. Talvez pense que é o Manuel Machado, já que lhe admira o dialecto (e é obcecado com "A táctica").

Mas não é.

 

Talvez seja um pouco dos dois: um histero-neurastênico com discurso de treinador de futebol.

Temas: , ,
Publicado Por Luís Pedro Mateus em 13/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (2)
Quinta-feira, 12 de Maio de 2011
José Meireles Graça

"Tudo indica que Portas quer retornar ao poder seja qual for o parceiro partidário. O seu programa, quando chegar, redundará num combinado de elementos de assistencialismo social e de solene rigor financeiro habilmente entrelaçados com os habituais temas da segurança e da ruralidade romântica para que o CDS simule sobressair dos dois grande partidos que verdadeiramente disputam o poder entre si."


Isto foi escrito aqui e é um elogio significativo por vir da concorrência mais chegada. Porém, o hermetismo da linguagem requer algum trabalho de interpretação, pelo que tomo sobre mim o encargo de reescrever o texto numa linguagem mais acessível ao cidadão comum. Aqui está:

 

Portas quer retornar ao poder, excepto com os parceiros que já excluiu expressamente. O seu programa, quando chegar, redundará num combinado de elementos de preocupação com os reformados e desvalidos e de inflexível rigor financeiro, habilmente entrelaçados com os tão desprezados temas da segurança e do défice alimentar do nosso País, para que o CDS finalmente possa por em prática o que o distingue dos dois grande partidos que verdadeiramente têm dividido o poder entre si.

Temas: ,
Publicado Por José Meireles Graça em 12/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (4)

Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO