Rua Direita
Quarta-feira, 18 de Maio de 2011
Margarida Bentes Penedo

 

As Novas Oportunidades credenciaram a ignorância de alguns e a competência de outros. Como todo o ensino em Portugal. Confiando nos números que se discutem por aí, só por conta desta iniciativa houve 500 mil portugueses que obtiveram uma melhoria das suas habilitações.

 

A página oficial afirma que "aprender compensa".

 

Foi nisto que acreditaram muitos milhares de portugueses que se juntaram na rua a protestar por terem sido enganados. Tinham estudado. Tinham obtido uma melhoria das suas habilitações. De novas oportunidades é que nem rasto. Foi no dia 12 de Março.

 

Por isso a iniciativa foi deles. Números gordos, no dia 5 de Junho têm 9,5 milhões de novas oportunidades para punir quem os enganou.

Publicado Por Margarida Bentes Penedo em 18/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (5)
Terça-feira, 17 de Maio de 2011
Zélia Pinheiro

Não é que eu queira pedir uma auditoria, mas quantos dos "500 mil portugueses que obtiveram com o seu esforço e coragem uma melhoria das suas habilitações" através do programa Novas Oportunidades, como diz o primeiro-ministro / candidato José Sócrates, estão empregados e com uma vida melhor do que tinham antes?

Publicado Por Zélia Pinheiro em 17/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (2)
Quinta-feira, 5 de Maio de 2011
Bernardo Campos Pereira

As declarações da ministra do trabalho demonstram a falta de vontade que um governo PS terá em realizar as medidas mais dificeis, mas mais necessárias para começar a tirar o país do buraco onde este mesmo PS nos meteu.

 

Leitura complementar: "O Nosso Ritmo"

 

Temas: ,
Publicado Por Bernardo Campos Pereira em 5/5/11
Link do Post | Comentar
Quarta-feira, 4 de Maio de 2011
Margarida Bentes Penedo

Aparentemente, “acordaram reduzir número de câmaras e freguesias”. Há muito tempo que havia quem dissesse que isto tinha de se fazer.

 

Tomemos, por exemplo, Barrancos. Para cerca de 1900 habitantes, com uma alta taxa de desemprego, tem uma Câmara Municipal e uma Freguesia. Isto serve para dar que fazer a uma boa percentagem dessas pessoas, cujo trabalho não sendo precário é altamente entediante uma vez que não há rigorosamente nada de que um funcionário municipal se possa ocupar em Barrancos.

 

Para acabar com este flagelo sugiro, para o interior do país, uma solução mais estimulante, mais musculada e mais atractiva do ponto de vista ambiental: a criação de grandes reservas naturais e turísticas. Seriam divididas em parques temáticos, com funcionários vestidos de alentejanos, montanhas russas, e museu de cera. Dispunham-se umas velhinhas amorosas a fazer queijos e uns tractores sempre a andar de um lado para o outro, para dar ritmo. Como os tractores seriam movidos a energias renováveis, que têm a grande desvantagem de não fazer barulho, no atrelado tinhamos que escanchar uns administrativos, escolhidos entre os que apresentassem maior resistência de caixa toráxica, para simular o ruído tão bucólico dos motores a diesel.

 

Este tipo de proposta tem a vantagem de poder contribuir para o escoamento da imigração, convidando inclusivamente alguns cidadãos estrangeiros a optar entre uma visita turística de contacto rural, um período de formação ou trabalho temporário, ou até mesmo a sua instalação definitiva caso a experiência lhes agradasse. Já estou a ver os técnicos do FMI, UE e BCE enfiados dentro de uns ponchos, guitarras nos braços a percorrer a propriedade, entoando “a igreja estava toda iluminada, e ela estava já casada, a mulher que eu adorei”, desempenhando com aquela pronúncia misteriosa do norte o papel de Trio Odemira.

 

Pela minha parte, já me estou a preparar para o casting. Espalho um excesso de cor azul a toda a volta dos globos oculares e uns borbotos de carmezim a escorrer das comissuras da boca. A seguir apoio a testa com as costas da mão, digo “ai eu, ai a minha vida, que será isto que ê têinho” e candidato-me ao lugar de Florbela Espanca.

 

Agora a sério: confesso que ainda não percebi porque é que se propõe acabar com o Ministério da Agricultura. O CDS não.

Publicado Por Margarida Bentes Penedo em 4/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (6)

Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO