Rua Direita
Quarta-feira, 18 de Maio de 2011
Zélia Pinheiro

Depois da revisão do défice público de 8,6% para 9,1% do PIB ser atribuída à "nova metodologia" do Eurostat, agora é a vez de a revisão em alta da taxa de desemprego de 11,1% para 12,4% ser apenas o resultado da "nova metodologia" adoptada pelo INE na recolha de informação. Tudo é relativo e depende das "metodologias" no país de Sócrates. Wittgenstein parece que falava nisto: "As fronteiras da minha linguagem são as fronteiras do meu universo".

Publicado Por Zélia Pinheiro em 18/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (1)
Tomás Belchior

 

PS - Programa de Governo de 2005

 

"Assumir uma reforçada ambição no desenvolvimento da produção de electricidade a partir de fontes renováveis, elevando significativamente a capacidade de produção e de ligação às redes a atribuir a estas fontes, garantindo estabilidade ao quadro tarifário destas energias."

 

PS - Programa de Governo de 2009

 

"São sete as linhas fundamentais de modernização estrutural que nos propomos prosseguir: i) liderar na revolução energética;"

 

"Concretizar estes objectivos passa por alavancar os progressos já alcançados e prosseguir uma estratégia para a energia centrada no aumento da produção eléctrica por energias renováveis."

 

PS - Programa Eleitoral 2011 (27 de Abril de 2011)

 

"O PS está bem consciente das suas tarefas principais na governação: [...] Promover o crescimento da economia, combater o desemprego e reduzir os factores estruturais de desequilíbrio externo, [...] desenvolvendo a aposta nas energias renováveis e na eficiência energética;"

 

"São claros os desafios estratégicos a que o Partido Socialista se propõe responder através da acção do seu próximo Governo: [...]Em segundo lugar, a consolidação da aposta nas energias renováveis e na eficiência energética, para combater e reduzir a nossa dependência energética do exterior, contrariando o desequilíbrio externo da nossa economia e reforçando o importante "cluster" industrial constituído nos últimos anos, numa área de elevada incorporação tecnológica e potencial exportador;"

 

FMI/UE/BCE - Memorando de Entendimento 2011 (3 de Maio de 2011)


"5. Mercados de bens e serviços

 

Mercados de Energia

 

Objectivos: assegurar que a redução da dependência energética e da promoção das energias renováveis é feita de uma maneira que limita os custos adicionais associados à produção de electricidade sob regimes especiais e normais (co-geração e energias renováveis)."

 

[Eu traduzo a tradução: a "aposta" nas energias renováveis custa mais dinheiro do que gera e agravou as necessidade de financiamento do Estado. Têm que acabar com a brincadeira.]

 

Ajuda Externa a Portugal (17 de Maio de 2011)

 

"Portugal deverá receber uma primeira tranche de "pouco mais" de 18 mil milhões de euros em finais de maio, início de junho."

 

Conclusão

 

O Primeiro-Ministro é um grande comunicador e muito combativo. O oposição é que provocou a crise. O programa de governo do PS é realista e ao mesmo tempo promove a auto-estima. O Engenheiro Sócrates é a escolha certa para nos tirar da crise. Vota PS.

Publicado Por Tomás Belchior em 18/5/11
Link do Post | Comentar | Ver Comentários (2)
Domingo, 8 de Maio de 2011
Tiago Loureiro

Um excelente exemplo da retórica ilusionista do PS, num texto que vale a pena ler na íntegra.

 

«Nem é preciso evocar o "sangue, suor e lágrimas" do velho Winston: os estadistas a sério distinguem-se pela franqueza com que anunciam as más notícias. Os estadistas do género do eng. Sócrates distinguem-se pela cara de pau com que anunciam as boas e disfarçam as péssimas.

Na terça-feira, o primeiro-ministro fez-se acompanhar de um vulto inerte e apareceu nas televisões a enumerar as medidas que não entrarão no plano da troika. Curiosamente, tratava-se das exactas medidas que, aqui há tempos, jurou integrarem a "agenda" do FMI caso o PEC IV fosse rejeitado. Em entrevista (à SIC) de 15 de Março, o eng. Sócrates descreveu o impacto imediato da ajuda externa: "Acabar com o 13.º mês, reduzir o salário mínimo, despedimentos na função pública." Em seguida, questionou: "É isto que queremos?" Era nisso que ele queria que acreditássemos. A 3 de Maio, todo contentinho, o eng. Sócrates informou a nação de que não se acabaria com o 13.º mês (nem com o 14.º). A 5 de Maio, os representantes da troika esclareceram que o fim do 13.º mês (ou do 14.º) nunca esteve em causa. Ainda a 5 de Maio, o ministro Silva Pereira perguntou (retoricamente, espero) a jornalistas de onde viera a ideia dos "cortes" no 13.º mês e no salário mínimo, ao que acrescentou: "Certamente não foi do Governo."»

 

Alberto Gonçalves, no DN.

Publicado Por Tiago Loureiro em 8/5/11
Link do Post | Comentar

Autores
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Subscrever Feeds
Redes Sociais
Siga o  Rua Direita no Twitter Twitter

Temas

'tiques socráticos'(6)

acordo(10)

administração pública(8)

ajuda externa(21)

alternativa(7)

bancarrota(13)

be(7)

bloco(11)

bloco central(5)

campanha(50)

cds(102)

cds-pp(12)

cds; psd(6)

comunicação(7)

constituição(6)

day after(8)

debate(12)

debates(52)

defice(8)

democracia(10)

desemprego(10)

desgoverno(11)

despesa pública(9)

dívida pública(11)

economia(20)

educação(19)

eleições(26)

esquerda(6)

estado social(23)

fiscalidade(14)

fmi(46)

futuro de portugal(17)

governar portugal(6)

governo(9)

humor(9)

josé sócrates(36)

legislativas 2011(6)

ler os outros(21)

maioria absoluta(26)

manifesto(32)

memorandum(38)

novas oportunidades(14)

passos coelho(13)

paulo portas(10)

política(15)

portugal(26)

programa de governo(7)

ps(108)

psd(73)

sair da crise(22)

saúde(6)

socialismo(19)

sócrates(63)

socrates(11)

sondagens(12)

troika(31)

tsu(7)

valores(6)

voto(9)

voto útil(32)

todas as tags

Últimos Links
Twingly Blog Search link:http://ruadireita.blogs.sapo.pt/ sort:publishedÚltimos Links para o Rua Direita
Pesquisar Neste Blog
 
Arquivos

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

blogs SAPO